História

Um Pouco da Vida de São Gonçalinho e a maneira como é adorado por todos.

Contacto

mordomia.sgoncalinho@gmail.com

facebook - Mordomia São Gonçalinho

Mordomia São Gonçalinho

Rua Antónia Rodrigues, 29 3800-103 Aveiro

09h00-18h00

Segunda a Domingo

Image placeholder

O Nosso Menino

Menino Rapioqueiro

Muito haverá a dizer sobre S. Gonçalinho. Esta personificação popular do Bairro da Beira Mar, o mais antigo e pitoresco de Aveiro, perde-se no espaço e no tempo.

Fruto da imaginação popular? Fruto de uma concertação bairrista? Ninguém sabe ao certo. O que se sabe é que se trata de uma adopção e de um eterno agradecimento e reconhecimento como é muito habitual por esse mundo fora, embora cada caso seja diferente dos demais. Existe um sentimento de proximidade, cumplicidade, quase presencial, verificado quer por crentes quer por agnósticos. S. Gonçalinho consegue ser aglutinador. Junta o forte ao fraco e o pobre ao rico num adro exíguo durante aqueles 4 ou 5 dias de festa, lado a lado.

Ao “nosso menino” - como, carinhosamente, as gentes da Beira Mar e muitos aveirenses o tratam - muitas facetas lhe são atribuídas para além de casamenteiro: folgazão, rapioqueiro, brincalhão, medidor de conflitos, curador de males dos ossos, dançarino, hábil a tirar os encravanços de peitos sofridos, eficaz na eliminação das verrugas das almas encarquilhadas de dor, ou das maleitas dos corpos enfermos, ainda consegue gozar a fama de procriador dos desgraçados mais tímidos ou encalhados. É um “tudo em um. Num só”.

Mas cuidado. Também é tido como vingativo quando uma promessa não é cumprida ou perante faltas de respeito. E, acredite-se ou não, acredite-se se quiser, existem muitos testemunhos vivos de situações onde o seu bom nome não foi devidamente acautelado.

Image placeholder

A História e São Gonçalinho

O Eremita

São Gonçalo é o Santo português que, sobretudo no Norte de Portugal, goza da maior devoção, logo depois de Santo António de Lisboa. Na sua História Eclesiástica de Portugal, o Padre Miguel de Oliveira diz apenas o seguinte: "S. Gonçalo de Amarante que se supõe falecido a1O deJaneiro de1262; o seu culto foi permitido pelo Papa Júlio III (24 de Abril de 1551) e confirmado por Pio IV (1561); Clemente X estendeu o ofício e a Missa a toda a Ordem Dominicana (1671)."

Terá sido São Gonçalo uma invenção posta ao serviço de uma qualquer ideia ou propósito, ou podemos perceber o percurso da sua devoção ou do seu culto? O mais antigo documento que se refere a São Gonçalo, é um testamento de 18 de Maio de 1279 em que uma tal Maria Johannis lega os seus bens à Igreja de São Gonçalo de Amarante. Quer dizer, uns 20 anos depois da morte de São Gonçalo existia uma igreja dita "de São Gonçalo de Amarante". E há outros documentos ... e escritos sobre a figura de São Gonçalo e o seu culto.

Na biografia oficial de São Gonçalo, apresentada como tal a partir do Fios Sanctorum de 1513, não há dúvidas: Gonçalo, nasceu em Tagilde, estudou rudimentos com um devoto sacerdote e frequentou depois a escola arqui-episcopal de Braga. Ordenado sacerdote, foi nomeado pároco de São Paio de Vizela. Depois foi a Roma e Jerusalém; no seu regresso vendo-se desapossado do seu benefício prosseguiu um caminho de busca interior já anteriormente encetado, depois foi a experiencia devida eremítica, a pregação popular... , e logo caiu na ambiência mendicante da época, após o que se faria dominicano.

As coisas podem não ser assim tão lineares. De qualquer modo, tenha sido padre diocesano, cónego de Santa Maria em Guimarães, beneditino ou dominicano, tenha - quase por certo - passado de uma a outra condição, nenhuma destas hipóteses esbate-a riqueza e o vigor da sua figura.

Image placeholder

Festejos

A festa das Cavacas

As festas em honra de São Gonçalo - carinhosamente tratado por São Gonçalinho - no bairro da Beira-Mar, relembram o beato que nasceu em 1190 e ficou conhecido por ser santo casamenteiro e por curar doenças relacionadas com os ossos. São intemporais as festas a São Gonçalinho que demonstram o amor que as gentes da Beira Mar têm a São Gonçalinho. Durante os dias de festas são pagas diversas promessas feitas a São Gonçalinho com a tradição de atirar cavacas do cimo da capela, enquanto centenas de pessoas as tentam apanhar. Este é, muito provavelmente, o momento alto da festa!

Existem mais duas tradições que normalmente se realizam dentro da capela. A entrega do ramo e a "dança dos mancos", tradições onde se pretende perpetuar a história das festas de São Gonçalinho.